05/03/2009

... lugares...


Nunca deveriam as pessoas (normais, mesmo que disturbadas) negar o que um dia viveram...

Quando se nega que se amou, que se foi amado...nega-se a si próprio...

Nunca disse que nunca tinha amado ninguém na vida...
Sempre amei...todos menos a mim... e não sou de todo uma pessoa normal... nem tão pouco racional, ou levada pelo que os outros pensam...

Deixar de amar, ou voltar a amar, é o mais frequente entre os sobreviventes dos relacionamentos a dois.

Deixar acontecer, perdoar, respeitar, desdramatizar, tudo isso, acho tragável, no dia a dia, entre amigos, colegas, conhecidos, desconhecidos, mundanos, galácticos ou não, Ets e outros... sendo que admito que é sempre mais fácil falar do que agir...

Mas o mundo gira, e nós também...
Os nossos estado, comportamento e capacidade de surpreendermos a nós próprios com forças ou fraquezas que até um dado momento desconhecíamos em nós, circulam por todos nossos dias, em que vamos vivendo, ou deixando de viver.... e não tem rota fixa nem apeadeiro onde saibamos que vão voltar a passar.
Só o que se deita fora...nunca se consegue recuperar.

É normal qualquer um, mesmo o maior inadaptado deste mundo, seguir, ou recuar, pra depois voltar a emergir...

Sempre separo, embora não com intenção de magoar (apenas para arrumar as coisas, em mim, de alma e cabeça), os que fizeram dos que ainda fazem parte da minha vida... mas nunca apaguei nem da memória nem do coração os ficheiros, os lugares, os traços e os laços ou deslaços, daqueles com que em algum lugar anterior me fundi...

Não me é normal, negar... por isso embora o aceite, com tristeza, não o consigo entender nos outros.
Prefiro...ultrapassar, assumir, e registar, com todos os sentimentos que o arquivo das pessoas, ou momentos em nós possa implicar... mas nunca negar... ou de todo esquecer, ou fingir que nada houve ali atrás... muito menos, quando deixa algo, para sempre, de nós, e para nós...

É avançar para a mentira viva, esse ter que se negar, para seguir em frente em qualquer ponto que esteja o nosso caminho...
E é por ter sido sempre verdadeira, em toda a minha vida, primeiro comigo e depois com os outros, e por a mim ter sido unicamente fiel, desde bem novinha... que sempre pelos outros fui acusada de infidelidade...
Mas não aceito esse rótulo... não se encaixa em mim.

Não sou de todo...mas, sou muito mais transparente com os que me tocam, do que com os que dizem, que me conhecem, e apenas o dizem...

Não nego, as lágrimas, não nego os sorrisos, não nego os ódios, não nego os amores, nem os que tive, nem os que não tive...

Talvez seja por isso, que continuo sempre... parada... nesta estrada.
Mas prefiro assim...

Eu sou mais eu...
E todos os seres queridos, ou lugares...que fizeram parte do meu passado, fizeram também de mim, aquilo que sou hoje.
Quem me nega é quem fica a perder, porque logicamente, embora não perceptível por toda a boa gente, essa pessoa que hoje sou, só posso partilhar, com os que no presente, estão comigo... o que poderá ser bom para mim, menos bom para outros...mas pelo menos, seja verdade...

Os que negam um dia ter-me amado...escolheram...
E sendo assim, que assim seja...
Nunca me amaram!?... O futuro... o dirá...! (algures)

2 comentários:

Mitsotaki disse...

quem é que se anda a negar?

malu disse...

quem será ?

o passado, tal como diz a palavra, é passado, mas e o presente?

quem será que nega?