30/04/2006

... Obrigado Mãe ...

Porque será que o dia da mãe, me dá para chorar? Será que sou uma mãe frágil?
Será que sinto a falta da minha mãe? Será que, queria ser mais, muito mais Mãe e, simplesmente tenho pena de o não conseguir?

Reflicto apenas nas mães que mais me são próximas, e só entre meia dúzia de pessoas, já haveria tanto para sentir, para dizer, para relatar, para acarinhar, transpondo este cordão para todas as mães desta galáxia e arredores, tanto, tanto, quer dizer a palavra mãe…
O dia é de palavras mansas sim. Muitos nem ligam, outros, que já nem têm paciência para prendas, nem “tempo”, porque está difícil para todos, lá dão apenas um toque, um telefonema, um abraço, um “adoro-te mãe”, e passa mais um domingo, primeiro de Maio, mais um dia da mãe.

Aproxima-se a data, e preparo-me mentalmente, para o que será que este dia significará para mim. Para os outros, nem tanto me importa. Alguns querem apenas, “vender”, o dia da mãe, e lucrar com ele. Outros, querem esquecer que ele existe, porque estão demasiado ocupados para lembrar a sua mãe, ou simplesmente, porque, essa mãe, só de lembrá-la, os faz sofrer. Talvez, já não tenham mãe. Talvez tenham uma mãe daquelas que, nunca o soube ser…nunca esteve presente…nunca mereceu um abraço de um filho, uma filha, porque simplesmente, foi mãe, sem o ser… Conheço casos destes, tão próximos que me magoam demais, principalmente neste dia.

No dia em que fui mãe, e foi muito difícil acreditem, foi o dia mais completo da minha existência. Estive quase a partir, para uma outra, mas, fiquei, para provar a mim mesma que, sim, também sou mulher, uma grande mulher, e também mereço e, vou ser a melhor mãe que conseguir.
Hoje sou, passados 14 meses, uma mãe galinha, a mais galinha que conheço, babada pelo meu rebento, sempre pronta para lhe dar, o melhor de mim, a minha atenção, o carinho todo e mais algum, todos os mimos, e ainda, como todas as mães, sempre desejosa por um xi-coração. O coração apertasse-me de cada vez que há um dia menos bom, um dentinho a romper, um trambolhão, ou mesmo um grande hematoma, como foi o caso de hoje. Dói mais à mãe que, aos filhos, a maior parte das vezes.

E o que é para mim ser mãe: é ser vida, é ser a força que faz mover o mundo, nem que seja só, dentro das nossas quatro paredes. Ser mãe é ser, dona e escrava e não ter pena... agradecer, por essa dádiva.
E ter mãe? Oh meu Deus…ter mãe, é o que mais te agradeço neste mundo.
Sim, que seria de mim, sem minha mãe… Ela, aquela que firme me ampara, aquela que é rocha e aguenta toda a força bruta da maré viva e ainda me resiste, sem sol, sem carinho, sem o apoio que merecia, e não tem…
Essa sim, é uma grande mulher, a minha mãe, que eu admiro profundamente pela persistência em remar… remar sempre, e em me arrastar… Aquela que sei que nunca vou conseguir ser igual… e, tão mal estimada que é!

Uma senhora, sim, uma senhora também mãe, fez manchete recentemente numa revista cor de rosa, com a frase “Ser mãe, é aceitar viver o resto da vida com o coração fora do peito”. Achei essa frase de L. Castelo-Branco linda… Linda e, sentida…
E por estes dias, já que nunca consegui abraçar a minha mãe, vá-se lá saber porquê(são sempre os que mais amo os que mais afasto de mim) quero agradecer-lhe, tanta generosidade, por continuar a viver, há mais de 35 anos, com o coração fora do peito, por mim, e por meu irmão, por minha sobrinha, e pelo meu filho, e por muitos mais filhos, de outras mães, que bem a poderiam, chamar de mãe, também.
Minha mãe, é uma ancora velha, mas que apesar de desfiada, mantém a corda que nos segura, a todos. Minha mãe, é aquela pessoa que, nunca quero que me falte e, a quem tenho tanto faltado... Perdoa-me mãe, não saber ser como tu.

E que dizer, dos que não têm mãe? Aqueles que a perderam, guardam-na eternamente no coração, acredito. Mas, e aqueles que a têm, e não têm!? Aqueles que tiveram o infortúnio de nascer de uma mãe, que os abandonou, que os desprezou, e que em anos e anos, nunca se preocupou com eles? A esses eu deixo o meu respeito, por conseguirem, virar-se sem mãe, sempre com vestígios de marcas maiores sim, mas podem sempre chamar mãe, àquela que realmente os criou, os amou, e continua a ser sempre a avó, ou a tia, de mãe. (sim, falo da minha querida sobrinha, aquela que daria tudo, para ter sido eu a mãe, e daria tudo para não ter deixado passar tudo o que passou, e tudo o que ainda a faz querer chamar-me a mim, de mãe, ou de mãe, à minha mãe.

Sim…é muito bonito o dia da mãe, mas a mim, faz-me chorar!… Porque nem todos o sentem da mesma forma. Porque nem todos tem, ou não tem mãe, da mesma forma.
Porque nem todas as mães são como eu, ou a minha mãe. Porque, também para as mães, este mundo está virado ao contrário, e é muito injusto na maioria dos casos.

Por me deixar ver e sentir este e todos os outros dias, em tantas diferentes vertentes, por isto tudo, e muito mais: obrigado a essa "força maior", que me deu mãe, e que me fez mãe!... Oxalá, um dia, daqui a muitos anos neste dia, eu seja merecedora de um abraço carinhoso, e de um simples:“obrigado mãe

2 comentários:

molianoslivre disse...

quero apenas te dar os meus sinceros parabens, de facto ADOREI LER ESTE BLOG.

Mikinha disse...

o blog tá mt fx...