18/12/2008

...Serei capaz...


"Como sabes eu vivo de relâmpagos; contigo partilhei uma trovoada um pouco mais longa do que o habitual. Foi apenas isso. De qualquer modo, a morte espreita sobre todos os prazeres dessa cronologia a que nos agarramos para escapar ao tempo. O que somos para além do que vamos sendo? O meu além eras tu- íman da minha íntima, impessoal temporalidade. Redenção dos males que me amputaram. Tu

Feliz por estar ao teu lado outra vez. Ao lado dessa que já estava morta um bom par de anos antes de tu morreres. Fazes-me falta. Mas a vida não é mais do que uma sucessão de faltas que nos animam. A tua morte alivia-me do medo de morrer. Contigo fora de jogo, diminui o interesse da parada. E se tu morreste, também eu serei capaz de morrer, sem que as ondas nem o céu nem o silêncio se transtornem. Cair em ti, cada vez mais longe da mísera ficção de mim."

Inês Pedrosa em "Fazes-me falta"

2 comentários:

José Alberto Vasco disse...

VOZ DO OUTONO

Ouve tu, meu cansado coração,

O que te diz a voz da Natureza:

- «Mais te valera, nu e sem defesa,

Ter nascido em aspérrima soidão,



Ter gemido, ainda infante, sobre o chão

Frio e cruel da mais cruel devesa,

Do que embalar-te a Fada da Beleza,

Como embalou, no berço da Ilusão!



Mais valera à tua alma visionária,

Silenciosa e triste, ter passado

Por entre o Mundo hostil e a turba vária,



(Sem ver uma só flor das mil que amaste)

Com ódio e raiva e dor... que ter sonhado

Os sonhos ideais que tu sonhaste!» -

ANTERO DE QUENTAL

malu disse...

sim...quaNTO MAIOR É O VOO...MAIS ALTA É A QUEDA...MAIS PROFUNDA É A PANCADAAAAAAAAAAAAAAA

TU TAMBÉM O DEVES SABER